A Narrativa Portuguesa de John Dos Passos

… Uma animada narrativa dos esforços do Homem para alargar os seus horizontes.
Da contracapa de The Portugal Story

 Vamberto Freitas

Não será necessariamente para descobrir algo de novo na história pátria que se lê The Portugal Story: Three Centuries of Exploration and Discovery, de John Dos Passos. Só que se trata de um livro importante, que creio nunca ter sido traduzido, e ainda hoje será pouco conhecido entre nós. Em primeiro lugar, importante porque foi escrito por um dos grandes escritores norte-americanos do século passado, consciência do modernismo literário do seu país, que teve como berço principal Nova Iorque nos anos 20, envolvendo escritores que lá viviam ou simplesmente giravam em volta daquele universo ainda hoje sem igual no mundo. A lista desses nomes é longa, e suspeito que a maioria dos leitores aqui conhece muito bem de quem falamos, pois muitos deles foram, em graus variáveis, traduzidos para a nossa língua. Ainda há bem pouco tempo, foi lançada cá a tradução de Manhattan Transfer, um dos principais e mais conhecidos romances do autor luso-americano, nascido em Chicago em 1896 e falecido em Baltimore em 1970.

Nos últimos anos da sua vida, Dos Passos fez questão de resgatar para si próprio a sua ancestralidade paterna de português de raízes madeirenses. Uma vez mais, o autor da trilogia canónica intitulada U.S.A. (ficção) e de outras inúmeras obras de história e reportagem sobre a sociedade americana que nascia após a Primeira Grande Guerra, receberia orgulhosamente a resposta e o reconhecimento das nossas comunidades americanas com uma condecoração especial, “Peter Francisco Medal” da Portuguese Continental Union. Muito antes disso, Edmund Wilson, o mais conhecido e respeitado crítico da sua geração e desde sempre amigo íntimo do autor, já tinha anotado com alguma surpresa e fascínio em cartas mais tarde publicadas essa atitude de John Dos Passos em valorizar sem complexos o seu lado de luso-americano. Dos Passos passaria a visitar tanto Portugal como o Brasil, ao qual já estava ligado desde os anos 40, tendo prestado homenagem a esse outro país-irmão com o livro, também pouco notado entre nós, Brazil On The Move, publicado alguns anos de The Portugal Story.

É certo que outros historiadores norte-americanos de renome internacional escreveram também sobre os Descobrimentos portugueses, mas nenhum deles o poderia ter feito como o fez John Dos Passos, pela perspectiva declaradamente afectiva e creio que correctiva de todo e qualquer anti-portuguesismo surgido na literatura académica e ficcional do seu país, que ele conhecia e reconheceria como poucos no seu tempo.

The Portugal Story resultou inequivocamente do seu respeito e, uma vez mais, afecto pelas raízes ancestrais, mas só depois de aturadas investigações um pouco por toda parte, especialmente no nosso país e através de contactos e diálogos com seus amigos e conhecidos historiadores e intelectuais portugueses. Um grande escritor da ficção modernista que se debruça sobre um tema tão abrangente e decisivo na história do Ocidente teria forçosamente de se dirigir a um grande público com uma escrita absolutamente contrária à suposta cientificidade do costume. The Portugal Story lê naturalmente como se um romance fosse, cada etapa da preparação da grande aventura deixando o leitor ansioso pelo que vem nas páginas seguintes, a linguagem fluindo como as cavarelas em ventos favoráveis, descomprimindo aqui e ali com informação contextualizante nas paragens de movimento, como que em preparação para novas navegações e encontros.

São quase quatrocentas páginas da mais fina e dinâmica prosa, levando o leitor de hoje a imaginar como terá sido para outros de língua inglesa este outro ou inesperado encontro com as figuras da nossa história. Dos Passos escreveu The Portugal Story numa fase da sua vida em que já tinha passado por várias fases políticas e ideológicas, vindo inicialmente da esquerda mais ou menos nova-iorquina até ao conservadorismo da aula mais direitista do Partido Republicano. Alguns destes factos no seu percurso intelectual, à primeira vista sem importância, terão sido cruciais no que mais enforma a sua narrativa lusa: sem apologias ou condenação “imperialista”, sem complexos nos confrontos civilizacionais entre uma Europa quinhentista então liderada por Portugal na sua aventura além-mar, em que venciam nos negócios em novas feitorias aqueles cujas frotas à vista faziam meio mundo fugir de medo e reverência. De resto, no ambiente multicultural em que a América começava já a viver durante a escrita de The Portugal Story, o início da valorização de cada grupo étnico na construção do país americano, não lhe terá sido alheio nem por mero caso a sua descrição da formação mista da nossa nacionalidade lusitana desde os tempos pré-romanos até ao Infante D. Henrique.

Toda a escrita acaba por ser autobiográfica, mesmo uma narrativa histórica? Raramente um autor escapa à intromissão da sua “biografia”, real ou imaginada, naquilo que cria ou interpreta. No já mencionado Brazil On The Move, Dos Passos, muito antes dos brasilianistas que em breve surgiriam em força nos EUA, dava especial ênfase ao carácter étnico e culturalmente misto do maior país lusófono, convivia pessoal e intelectualmente nas suas prolongadas visitas com vários escritores, especialmente com Gilberto Freyre, o autor de Casa Grande e Senzala, significativamente escrito e publicado nos anos em que alguma Europa se autodestruía em violentos espasmos racistas. The Portugal Story, pois, oferecia aos seus leitores anglófonos uma grande narrativa bem diferente das que porventura teriam conhecido vagamente em medíocres e tendenciosos programas escolares. Os portugueses deixavam agora de ser aquele povo esquecido na Península Ibérica e Ilhas para se tornar no mais corajoso descobridor e pioneiro, na nossa linguagem actual, da globalização. Toda a violência nos encontros entre nós e os outros povos no decorrer de cada chegada a portos longínquos e desconhecidos é vista como um inevitável imperativo de cada época, em nada diferente do que o próprio autor, séculos mais tarde, conhecera pessoalmente nas guerras da Europa, inclusive na Espanha republicana a saque. Do mesmo modo, Dos Passos realça o outro lado, o diálogo e a compreensão ante as mais distantes e desconhecidas culturas, escolhe certos episódios e geografias que mais dramatizam esses encontros que para sempre mudariam o mundo conhecido e inventariam outros na modernidade ambígua que se desenvolve a partir do século XVI.

Atentemos no próprio título do livro: The Portugal Story, e não A History of Portugal. Uma “estória” e não uma “história”. Sem uma única nota-de-rodapé, a sua longa narrativa flui na linguagem a que só um grande escritor terá acesso: cada personagem, cada incidente, cada descoberta, cada confronto metaforizados como se entre a arte e a escrita realista não pudesse nunca existir qualquer separação, a poetização da memória inerente a qualquer acto de narração. Os factos aqui servem como informação pura, sim, e depois servem sobretudo como contexto ou moldura explicativa à imaginação do próprio escritor e dos seus leitores. Na incerteza ou nebulosidade em que todo o passado reside, uma grande narrativa será sempre o que os Antigos já tinham descoberto: uma lição dramática da grandeza dos homens e/ou da sua inevitável ou eventual vilania, da duplicidade da nossa alma e feitos. O livro está ilustrado com algumas gravuras de lugares-chave da narrativa, mas também com alusões a figuras e obras de arte, toda a sugestão da completude e riqueza de um povo quase esquecido nos séculos que seguiram à aventura Trágico-Marítima.

___________________________________

John Dos Passos, The Portugal Story: Three Centuries of Exploration and Discovery, New York, Doubleday, 1969.

Anúncios

3 thoughts on “A Narrativa Portuguesa de John Dos Passos

  1. Vamberto Freitas Fevereiro 19, 2011 / 10:47 pm

    Vamberto, que belo presente oferece aos teus leitores. Por acaso encontrei teu blog, mas estou maravilhada com tão maravilhosos artigos.
    Parabéns por teu livro e por esse presente a nós que tanto te admiramos
    Beatriz Veiga

  2. paulo pereira Junho 5, 2013 / 1:36 pm

    Este livro foi traduzido, eu li-o há quase 40 anos e gostaria de o lêr outra vez mas, infelizmente, não o encontro….

  3. JOÃO MARQUES DE OLIVEIRA Setembro 17, 2013 / 3:22 pm

    ESTE LIVRO ESTA TRADUZIDO COM O TITULO ” PORTUGAL – TRÊS SÉCULOS DE EXPANSÃO E DESCOBRIMENTOS” – EDITORA IBIS – ANO 1970
    É O LIVRO QUE ESTOU ACTUALMENTE A LER
    JOÃO MARQUES DE OLIVEIRA

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s