Adelaide Freitas: da Literatura Açoriana e Norte Americana

Nas Duas Margens Adelaide

Teresa Martins Marques

Adelaide Freitas é um nome que não carece de apresentação nos Açores. Tendo nascido em 1949, na Achadinha do Nordeste, a mesma localidade da ilha de São Miguel em que nascera, dois meses antes, João de Melo, que haveria de ser seu companheiro na escola primária e, mais tarde, objecto dos seus trabalhos ensaísticos,1 terminado o liceu em Ponta Delgada, vai graduar-se na Southeastern Massachusetts University, em Darmouth, bem como na City University of New York, regressando, mais tarde, à ilha, onde completará o doutoramento sobre a obra de Herman Melville, em 1987. Pode dizer-se que desde essa altura a Baleia Branca não mais a abandonou. No seu mais recente livro Nas Duas Margens da Literatura Norte-Americana e Açoriana 2 (que inclui textos em português e em inglês), a ensaísta continua a estudar Melville em estimulantes ensaios como «A solidão: sua dimensão existencial em Bartleby the Scrivener», «Moby Dick e a recuperação da Memória: Portugal na sua atlanticidade», «Os açorianos em Moby Dick», bem como no admirável e fastasmático texto que encerra o livro: «Uma baleia vê os homens: o reacordar da humanidade», onde Adelaide aflora o mito da Atlântida, das Ilhas Afortunadas, bafejadas pelo Espírito Santo, cruzando-o com as lições de Jung, Eliade e Edgar Morin, mas também do Pessoa da Mensagem, de Nemésio e Natália Correia e ainda de António Tabucchi, Fernando Aires e João de Melo.

Conforme nos diz Vamberto Freitas, na nota de apresentação do livro, este foi organizado pela autora numa fase da sua saúde já muito problemática, todavia os textos foram escritos em anos de grande produtividade criativa. Digno de figurar entre os mais exigentes estudos de género é justamente o ensaio «Para uma sensibilização ao universo feminino – e o grito se fez fala e a fala fez-se mulher», em que a autora parte de Minoo Farhangmeh e das Novas Cartas Portuguesas para se deter com minúcia num trecho decisivo d’ A Melancolia do Geógrafo de Brigitte Paulino-Neto: “ Ela está de gatas, descalça, despenteada a suar. O outro, na moldura da porta, ocupa o lugar do Sol. Só pode ser ele. Ela endireita-se bruscamente, senta-se nos calcanhares, olha-o como se se tratasse de Deus Pai. Fica assim entre o balde e o pano, muito direita diante do homem que se ergue nas suas botas, em contraluz de pernas afastadas, radioso, enquanto ela permanece ajoelhada.” Esta mulher ainda não conquistou o seu lugar, ainda não se libertou da condição de objecto-trapo, mas uma revoada de outras mulheres voa para fora da via crucis. Encontramo-las na Madona de Natália, mas também nas obras de Fátima Borges, Madalena Caixeiro, Judite Jorge ou Lúcia Costa Melo. A Cor do Ciclame dos Desertos de Fátima Borges é a medida certa da procura que confunde tempo e lugar, porque sabe que estes são uma díade inseparável, como não o sabem os gramáticos que tudo catalogam e separam: “ Aqui é um advérbio de tempo contra o que tão categoricamente sempre afirmaram os fazedores de gramáticas.” Aqui é o lugar da mulher que procura o que lhe falta e que sempre acaba encontrando o que não procura. Voz de silêncio, que grita mais alto que a trombeta em dia de Juízo, o ajuste de contas, a seu tempo, chegará.

Do silêncio que se faz voz fala-nos ainda um dos mais brilhantes ensaios do livro – «Língua/linguagens, ou a ética da sobrevivência, em Saudade» (também em versão inglesa), no qual Adelaide aponta a insistência da autora na criação de personagens “que «perdem» alguns dos cinco sentidos, ora calando-os, ora recuperando-os ou reinventando-os.” É o caso de Clara, que, intermitentemente, perde e recupera a fala, em situações traumáticas associadas a morte, o mesmo se passando com o seu companheiro, Hélio, que «fechara os olhos para o mundo».

Estamos num universo complexo, intrigante e deveras perturbador já que Adelaide luta contra uma doença que lhe perturba a linguagem, tendo dedicado os seus últimos anos, com saúde, à escrita do romance – Sorriso por Dentro da Noite – 3 recebido com aplauso generalizado nos meios literários dos Açores e da diáspora, mostrando a emigração do ponto de vista de uma criança que os pais deixam para trás, ao cuidado de uma avó.

O trabalho ensaístico que aqui apresentamos era, afinal, antecâmara da ficcionista, sem que deixe de ser aquilo que primacialmente é: trabalho de indagação e de iluminação dos textos literários. Diálogo implícito com o leitor, mediação de um a um Outro. Voyage au Bout de la Nuit, segundo Céline, ou Sorriso por Dentro da Noite, segundo Adelaide Freitas. Kafka entendia que um livro tem de ser o machado para quebrar o mar gelado dentro de nós. Poucos serão os livros aos quais se aplicam tão bem aquelas palavras, retiradas de uma carta ao amigo Oskar Pollak (1904). Este livro adquire para o sujeito-leitor essa a função salvífica abrindo, por esta forma, uma porta de acesso ao mundo da infância. Neste universo até a esperança é cruel como o mês de Abril, não por acaso o mês do nascimento de Xana – a personagem-protagonista (e também da autora), e bem assim o mês em que parte a mãe da criança. Não por acaso uma das epígrafes do romance é retirada de T.S. Eliot: “April is the cruellest month, breeding/ Lilacs out of dead land, mixing/ Memory and desire, stirring/ Dull roots with spring rain(…)” retomado explicitamente no incipit: “ Tudo ali aconteceu, quando a Xana balbuciou maamãã…// Estava-se na Primavera. Gota a gota caíam as primeiras chuvas de Abril – the cruellest month. Cruel também era o que a minha avó acabava de ouvir.”(p.13)

O tema centralizador do romance será a idealização da figura materna e a consequente dificuldade de vinculação. A criança inaugura a linguagem, sob o signo do equívoco, trocando as referências das figuras vinculativas. Equívoco e castigo, prefigurado em Sísifo: “Pacientemente, e com esforço colossal, a vovó pegava na menina ao colo como pedra de Sísifo.”(p.13). E, desde logo, se demarca a figura da ausência, a mãe em efígie: “ o belo retrato da minha mãe” a que chama “ mulher emoldurada” . Distante, inatingível. Como no romance Saudade, de Katherine Vaz, também no Sorriso funciona o silêncio como marcador de decepção, fuga ao real, diluição:“ Sempre que se sentia traída ou magoada, punha as mãos atrás das costas, e recuava, recuava, até tocar na parede. Entrava para dentro dela e permanecia, assim, entre os tabiques (…) Por entre as ripas só se viam os olhos pretos, pretos, como as noites sem luar nem estrelas.” (p.16)

Buscam-se estratégias securitárias na ritualização do comportamento, criando-se uma realidade paralela contra o marasmo ilhado, os sonhos “trancados” das mulheres, como nos ensaios de Adelaide Freitas, sobre a condição feminina:

“ As mulheres, por seu lado, rostos encolhidos, roupas acinzentadas em corpos vergados, e sonhos trancados, recolhiam-se a casa, de certa forma receosas e pasmadas…” (p.18) Estamos perante um ferrete do destino, uma herança com marca de diferença: “ Seria louca aquela menina?- perguntavam as mulheres umas às outras: Teria o demónio consigo, ou herdado a asa que transportou para o outro mundo a irmã Serafina morta aos catorze meses…” (p.19)

Xana, a menina furtiva, não aceita o mundo real. Como Clara, a intermitente muda personagem de Katherine Vaz, Xana vive num mundo construído “por dentro da noite”. Fora de si é o mundo do dinheiro. Na definição da pragmática irmã Carolina: “rico quer dizer que por mais asneiras que se façam se tem sempre razão” (p.26). Tão iguais no fundo, tão diferentes nos processos sublimantes, Carolina resolve o abandono pela via da agressão, aquela irá tentar resolvê-lo pela fuga. Xana tem uma vinculação substitutiva na figura avó. Carolina ficará sozinha com a sua raiva e é ela a verdadeira deserdada de afectos. Espoliados são todos estes açorianos, até mesmo de chão, pois o peso do silêncio é ainda o do medo do terramoto:

“ O sofrimento e o medo eram de silêncio absoluto; temia-se a própria fala, não fossem as coisas piorar. E quando se pensava estar fora de perigo, o abanão veio de novo, e as paredes cederam, e a empena da casa virada a Norte desabou, em parte, como baralho de cartas. A fúria do terramoto subtraiu um quarto à nossa casa.” (p.46)

Tal como o terramoto faz ruir a casa, também a idealização da figura materna fará estragos irreparáveis na pequena Xana. Nenhuma mãe real pode competir com o sonho de uma imaginária mãe. Quando a mãe americana finalmente regressa, a criança açoriana fugirá para dentro da sua noite e recusará a mãe real, demasiado pedestre para poder competir com altura do sonho da criança. Quando tudo se subtrai, nesta aritmética da falta, alguma coisa seguramente permanece: a força expressiva do seu verbo, a fluidez da frase, a discreta modulação do ritmo, a clareza da narrativa, como apontou Ana Marques Gastão. Por isso a voz ficcional e ensaística de Adelaide Freitas não emudece e está aí para se fazer ouvir.
Adelaide Freitas, Sorriso por Dentro da Noite, Vila Nova de Gaia, Editora Ausência, 2004.

________________________

1 Reunidos em João de Melo e a Literatura Açoriana, Lisboa, Publicações Dom Quixote, 1993.

2 Edição do II Congresso Internacional da Imprensa Não Diária, Ponta Delgada, 2008.

3 Adelaide Freitas, Sorriso por Dentro da Noite, Vila Nova de Gaia, Editora Ausência, 2004.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s